Como médicos devem declarar o Imposto de Renda

Deve declarar o Imposto de Renda neste ano quem recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2018. Caso você, doutor (a), não entregar a Declaração, ou entregá-la após o prazo fatal, terá que pagar a multa de no mínimo, R$ 165,74, sendo o valor máximo, correspondente a 20% do imposto devido.

A declaração do Imposto de Renda para médicos têm características singulares. Os médicos e os estudantes de Medicina devem estar atentos para questões específicas da profissão. É exigido ao médico informar os CPFs de cada um de seus clientes, dos quais receberam rendimentos no ano passado.

A preocupação da Receita é estabelecer o cruzamento das informações e CPFs com os valores declarados pelos clientes, objetivando evitar que caiam nas garras do Leão, o que pode acontecer no caso de as despesas serem altas. Porém, mesmo se estas estiverem altas, se as duas pontas fecharem, a Declaração não será retida pela malha fina da Receita.

As bolsas de estudo recebidas por médicos-residentes são isentas do Imposto de Renda, conforme determina o art. 26 da Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995. As informações devem ser preenchidas na ficha “Rendimentos Isentos”. Se a pessoa receber seus rendimentos como bolsa residência, está dentro da conformidade. Para confirmar a isenção, deve solicitar à fonte pagadora o informe de rendimentos anuais para Imposto de Renda.

Os plantões devem entrar na Declaração do Imposto de Renda para médicos, pois configuram um tipo de remuneração. Da mesma forma, é necessário ter em mãos o documento da fonte pagadora com as informações acerca dos rendimentos. O mais importante é estar de posse dos informes.

Existem alguns itens que são dedutíveis no imposto de renda. Sabendo declarar corretamente cada um desses itens, você pode pagar menos impostos. Alguns desses itens são:

 

– Funcionário registrado do consultório e todos os encargos relativos à contratação da equipe;

– Gastos com manutenção do consultório como água, luz, aluguel, condomínio e telefone;

– Material de consumo e de escritório;

– Pagamento do Conselho de Classe (CRM e CRO, por exemplo) e sindicatos;

– Despesas de propaganda para divulgação da clínica.

 

Saiba as principais novidades do IR 2019:

 

Obrigatoriamente, haverá maior detalhamento dos bens na ficha de Bens e Direitos.

Independentemente da idade, a Receita Federal exigirá CPF de todos os contribuintes e seus dependentes, inclusive de recém-nascidos.

Os declarantes poderão utilizar dispositivos de serviços móveis, “Meu Imposto de Renda”, na hipótese de o declarante ou seu dependente informado na declaração, no ano-calendário de 2018, ter auferido rendimentos tributáveis, rendimentos sujeitos à tributação exclusiva ou definitiva, ou rendimentos isentos e não tributáveis até R$ 5.000.000,00.

A Receita também obrigou os contribuintes a incluir na Declaração maiores informações sobre seus imóveis e carros. Entre os novos dados solicitados estão endereço, número de matrícula no Registro de Imóveis, número do IPTU e data de aquisição de imóveis, além do número do Renavam de veículos.

Fonte: Prodoctor e Blog iclinic

Quero locar um espaço?